28 de janeiro de 2015

Sou uma mãe corre corre...

Olá amiga (o).
Quando não estou a imaginar coisas bonitas para fazer, estou com a cabeça ocupada de memórias e outros pensamentos até que chego a pequenas conclusões e arrumo os assuntos por uns dias...
Isto de ser mãe é assim, penso eu... 

O nosso dia a dia não passa de uma correria como todos sabemos...
Quando eu era pequena passava poucas horas na escola. Recordo-me de ir para casa da minha avó lanchar uma boa fatia de pão com manteiga ou uma papa de farinha que ela torrava com calma e amor, enquanto eu sentada à mesa balançava as pernas ao sabor do tempo e conversava, conversava... Tinha ainda tempo de brincar às lojas, de brincar com amigos da minha idade, com a minha prima, corríamos a casa das vizinhas todas, subíamos as árvores, jogávamos à bola no meio da estrada onde as balizas eram duas pedras, que retirávamos quando passava algum carro (coisa rara), andávamos pela rua descontraidamente...
Parece que havia todo o tempo do mundo...
A minha mãe trabalhava, verdade seja dia, havia dias que mal a via,e o meu pai igual... 
Mas tinha lá sempre os meus avós o mais dedicados possível com todo o tempo do mundo para mim!
Hoje eu reclamo sozinha quando vou atrasada para o trabalho...
Acordamos, despachamo-nos as duas, eu a correr, ela com a maior calma do mundo, uma birra aqui, uma gracinha ali que me enche de orgulho (hoje começou com uma birra descomunal a chorar no chão, porque não queria aquelas pantufas e acabou penteada e de bandolete na cabeça e saiu-se com "mãe já me penteei") , por vezes entro em stress, refilo que tenho de passar a acordar uma hora mais cedo... deixo-a na escola, dispo-lhe o casaco, um beijinho e um abraço, vejo com quem fica, vou trabalhar atrasada, mas descansada porque estive ali com ela aquele bocadinho na escola... a meio da tarde já não posso com saudades, tento sair a horas e corro para ela... Umas vezes sou recebida com um grande abraço e um sorriso, outras com uma cara rabujenta cheia de sono e uma mais uma birra. 
Quase voamos para casa... Se fazemos uma paragem pelo caminho, atrasa-se tudo... Fazer o jantar, banhos e pijamas vestidos nunca seguem uma ordem metódica, é conforme o sono, ou enfim a disposição dela... Até que num abrir e fechar de olhos chega a hora da caminha... E aí acalmo, rezamos juntas ao Anjinho da Guarda, deito-me na cama dela, falamos sobre o dia, sobre o que fez de bem, sobre o que se portou mal, damos um abraço e beijinho, pedimos desculpa quando assim tem de ser, conto-lhe a história e permito que adormeça agarradinha a mim, feliz e em paz.
Caramba, o dia passou tão rápido.
...
As crianças passam tanto tempo na escola e tão pouco tempo com a família.
Mas pensando bem, que bom que ando em stress e numa correria, é que todo o tempo que ela não está na escola, está sempre comigo! E isso é apesar de tudo muito gratificante! 
Consigo ser a pessoa mais presente na vida da minha filha. Afinal dou o melhor de mim!
Sou a pessoa que mais tempo passa com ela, a que lhe prepara os lanches, que a veste, despe e dá banho, a que conversa mais tempo com ela, a que brinca, pinta e inventa, a que lhe pede ajuda para as tarefas da casa para estar ainda mais tempo com ela. 
E sim, sou também quem mais refila, quem mais promete castigos, quem lhe dá uma palmadinha no rabinho quando precisa. 
Ainda bem que sou uma "mãe corre corre" :)
Há muitas mais mães com dificuldades em gerir o tempo, mas a fazer esforços para estar sempre presente?

3 comentários:

  1. Olá! que engraçado... andamos todas a refletir sobre o mesmo assunto?
    Li um texto fantastico no facebook e partilho aqui a ligação
    Bjinho
    http://revistacrescer.globo.com/Familia/Rotina/noticia/2013/12/o-dia-em-que-parei-de-dizer-anda-logo.html

    ResponderEliminar
  2. Respondendo à pergunta com que terminas o post: provavelmente muitas, mas muitas mães. Os tempos mudaram, o ritmo é outro. Não é fácil atender a tudo com igual sucesso, sem um ou outro sentimento de culpa
    por deixar algo para trás.Mas é mesmo assim e como diria a minha mãe,fazemos sempre o melhor que podemos.
    Bj

    ResponderEliminar
  3. E que bom quando assim é!! E que bom deixá-los adormecer abraçadinhos a nós!! Um abraço, Manuela

    ResponderEliminar